As costas norte e sul do Concelho são compostas por serras muito elevadas e descidas íngremes até às fajãs. Estas, resultantes dos abatimentos das falésias, são, desde longa data, zonas de excelente cultivo, abrangendo as plantações do inhame, do café, do milho e legumes
   
Na costa Norte, localizam-se as fajãs da Penedia e Pontas, utilizadas pela população da freguesia do Norte Pequeno, para cultivo. Aqui encontram um microclima adequado às sementeiras, em contraste com o clima agreste da freguesia, havendo também a possibilidade da pesca artesanal. Na mesma encosta, a fajã dos Cubres, realça-se pela sua beleza e pela sua lagoa, abundante de camarões, utilizados para isco, pelos pescadores. Além de possuir as mesmas características das anteriores, tem ainda outras que a distinguem, nomeadamente a Ermida e o Poço de Baixa-mar, cuja água é tida como milagrosa. Ainda, nesta vertente temos a mais famosa fajã de São Jorge, a Caldeira de Santo Cristo. Esta fajã, ao contrário das suas vizinhas, não possui acesso automóvel, o que lhe confere uma particularidade ao nível da visitação, sendo efetuada através do trilho pedestre “Cubres – Caldeira”, “Serra do Topo – Caldeira”. A sua lagoa é o único local nos Açores onde se criam amêijoas. Esta Fajã é um local muito procurado pelos surfistas devido à ondulação junto à lagoa.
   
 A sul, encontramos as fajãs de São João, Bodes e Vimes. As duas primeiras têm em comum a transumância, vulgarmente conhecido por “mudas para a fajã”. A transumância caracteriza-se pela migração de famílias, que durante um período de cerca de dois a três meses, mudam-se para as Fajãs com o objetivo de cultivar os seus terrenos, levando os seus animais e muitos dos essenciais pertences, usufruindo assim, também durante a sua estadia, de um clima mais favorável. A fajã de São João é conhecida por ser a mais antiga, mais nobre e distinta pela sua arquitetura típica. Esta fajã também já teve uma interessante dinâmica económica e social, tendo sido residência permanente de muitas famílias. Na fajã dos Vimes, para além da sua beleza natural, há a distinguir o famoso café e as colchas do ponto alto. É uma fajã que se distingue pelo fato de ser residência permanente de vários agregados familiares.
     Situado na ponta leste da ilha, o ilhéu do Topo possui reconhecidas características paisagísticas, onde se podem encontrar alguns exemplares da flora natural e se verifica grande concentração de aves marítimas, protegido por legislação comunitária.